Os crocodilos

Mara Cunha

 

Às vezes Gezebel finge-se de crocodilo e assim se transforma, de verdade, num jacaré pequenino, com a pele rosa, de um rosa muito claro. E passeia assim pela beira do rio, docemente, e não se atreve a molhar as patinhas; olha para os olhos que flutuam e que brilham na superfície da água. Depois volta a ser Gezebel.

Num certo dia, Gezebel-jacaré, entrou naquelas águas e por algum tempo foi dois daquela multidão de olhos. Esse tempo foi de névoa.

Perto da noite, sentiu o aperto de um abraço e sentiu-se como alguém que encontra o seu lugar; olhou para si e reparou que já lhe faltavam algumas partes do seu corpinho.

 

 

contato   biblioteca   discussões   digressões   ensaios   rubaiyat   contos   textos   poemas   conexões   ao cubo