No jardim

Mara Cunha

 

Gezebel saiu cedo para o jardim e sentou-se diante de um pequeno arbusto. ... Era linda, em seus três aninhos, com os seus cabelos de cachos de ouro, e ficava ainda mais bonita quando, decidida e segura, colhia os frutos do jardim ...

Naquela manhã o ar estava úmido de orvalho.

Começou então a colher, num frenesi: primeiro um, depois outro, depois o terceiro! Eram tão pequenos que cabiam em uma unha: Peludinhos, se agitavam como loucos na palma da sua mão. As orelhonas confirmavam: eram, inteiros, coelhinhos.

Na sua mão já eram nove, depois seriam dez, depois, depois onze, e o onze já seria doze...

Gezebel, indiferente, e seduzida pela pelúcia cinza, colhia-os, como a morangos maduros.

Lembro-me ainda, da sua doce voz que me disse:

— Não tenhas medo, são apenas dromedários.

 

 

contato   biblioteca   discussões   digressões   ensaios   rubaiyat   contos   textos   poemas   conexões   ao cubo