Giovana de Salles">

 

 

Só a lâmpada de 60w não se apagou

Giovana de Salles

 

Lavou a boca do hálito da rua.

Já no quarto um sonho espesso desceu como neblina sobre sua cama de lençol barato.

Que ela lhe lambesse o suor da nuca, onde o medo do desencontro se dissolveu.

Que ele lha morderia as coxas. Pois um sorriso, engana o medo da despedida.

No colo dela soluçaria letras que se juntariam em uma confissão.

Mas existem asas atrás das portas. Teria de abrir uma.

Tomaria impulso no corredor — aquele fragmento labiríntico. Aquele túnel sem tempo — onde ela dependurou quadros com fotos da infância deles — o quê lhe dava calafrios, como num mausoléu, porque se pareciam irmãos.

Ali, naquele cômodo incômodo, tomaria impulso e: atravessaria.

Se descesse: um grito, comido pelo abismo. Se subisse: um uivo, para a lua — ela lhe ajeitou o travesseiro, e o beijou ainda.

 

 

contato   biblioteca   discussões   digressões   ensaios   rubaiyat   contos   textos   poemas   conexões   ao cubo